O indizível

foto (13)A gente fala tanto, né. Sobre tanta coisa. Tantas vezes. Mas é possível falar sobre tudo? Digo, é possível traduzir toda a nossa experiência e cada uma de nossas sensações em palavras?

Por mais contraditório que seja, adoro falar do indizível. Desse lugar onde faltam ar e palavras, onde as nossas sensações mais profundas se encontram… É por isso que gosto tanto desse trechinho do livro “Cartas a um jovem poeta”, do Rilke – para ver melhor é só clicar na foto. Gosto tanto pois  ele fala desse lugar que todos nós conhecemos, mas que não conseguimos verbalizar.

Se a compreensão antecede o pensamento, o sentimento vem antes das palavras que usamos para descrevê-lo. Transformamos o que sentimos em frases para nos comunicar, mas, no fundo, sabemos: o sentimento é mais vasto do que qualquer número de caracteres.

É possível se aproximar do indizível; tocá-lo suavemente – as obras de arte fazem isso, metáforas fazem isso, poemas fazem isso. Mas ele é indizível, ora: em sua totalidade, apenas o sentimos. Sentimos quando meditamos, quando nos emocionamos, quando compreendemos melhor o mundo e a vida… Ou simplesmente quando experimentamos nossa alegria primeira: a alegria de estar vivo, simplesmente.

 

Has one comment to “O indizível”

Você pode deixar um comentário ou Trackback para esse texto.

  1. Renan Medeiros (R.M.Owl) - 11 de novembro de 2014 at 15:35 Reply

    O ser humano é complexo não por sua inteligência, mas por seus sentimentos. No há inteligência no mundo que explique os sentimentos.

Deixar comentário

Your email address will not be published.