Blog novo de novo!

Faz uns dez anos que tenho o blog – acho que nem dá para falar “este” blog, porque começou no Blogspot, foi para o UOL, para algum lugar obscuro que não lembro e aí veio para o WordPress.

No começo, o blog contava basicamente sobre o meu dia a dia. Eu gostava muito de ter um contato frequente com os leitores, mas o problema é que, depois de um tempo, eu não aguentava mais falar sobre o meu dia a dia. Até porque o blog foi adquirindo uma linha editorial engraçadística não prevista no projeto original – eu podia contar qualquer coisa que fizesse, como dirigir ou tomar Ovomaltine, desde que fosse engraçado, e chegou uma hora em que eu realmente me cansei de engraçar meu dia a dia, que, como o de todo mundo, às vezes é mesmo muito hilariante, mas às vezes é um tédio, às vezes é chato e, na maior parte do tempo, é… normal.

Lembro que, uma vez, cheguei em casa assustada porque tinha sido assaltada pela primeira vez na vida, resolvi falar sobre isso no blog e… Me deparei com vários comentários do tipo “Ei, guarde para você, ser assaltada não é engraçado”. Também tive meus momentos de “Puxa, adoraria parar de falar sobre mim um pouco e escrever sobre outras coisas”, mas a maioria não queria saber de me ver falando sobre outras coisas – “dane-se essa sua reflexão sobre não sei o quê, Liliane, vim aqui para ler sobre o seu dia a dia”.

Claro, eu poderia ter optado por continuar desagradando meus leitores e postando o que eu quisesse, afinal, o blog era meu e só o acessava quem queria, mas não fiz isso porque… Bom, a verdade é que nem sei mais, faz tantos anos! Só sei que, no final, fiquei de saco cheio e encerrei o blog.

Depois reabri o blog em uma nova fase que acabaria durando muito pouco tempo, com artigos enormes, com bibliografia no final, que me davam um trabalhão, eu não gostava de escrever e ninguém lia. E depois acabei chegando a este formato atual (que deixa de ser atual a partir deste post) – um blog com crônicas que eu adoro escrever, sobre temas de que estou a fim, com poucos, mas fiéis leitores.

Isso me satisfez por quase três anos, mas o blog acabou virando uma coisa meio morta. A ideia inicial era postar uma crônica/um conto por mês, o que já é pouco – mas, apesar de eu adorar escrever os textos que posto aqui, eles acabavam ficando em penúltimo lugar nas prioridades da minha vida, ganhando apenas de fazer as unhas.

Sem contar que o formato foi ficando meio duro e previsível: sempre uma crônica, sempre com uma foto à esquerda. Os artigos que eu publicava em revistas acabavam ficando meio escondidos no link “Textos” – quando eu me lembrava. E do dia a dia, que eu enjoei de falar sempre, passei a não falar nunca. No fim, o blog perdeu uma das características de que eu mais gostava – falar com os leitores. Com postagens pouco frequentes e distantes – eu nunca falava sobre textos publicados, projetos meus que saíam, minhas leituras –, isso se perdeu.

É claro que eu poderia resolver tudo isso simplesmente deixando de ter um blog.

O problema é que eu não quero deixar de ter um blog.

Saí da revista Capricho, onde fui editora-assistente de comportamento por três anos, basicamente para me dedicar à carreira de escritora, o que significa ficar em casa escrevendo igual a uma louca, e também estudando e lendo igual a uma louca. Em abril, faz cinco anos que trabalho em casa. Nesse tempo, escrevi sete livros e dezenas de crônicas, que aos poucos vão sendo publicadas. Me formei em filosofia. No fim de 2011, saiu meu livro “À revelia”, pela Letras do Brasil, e, este ano, saem dois livros meus pela Planeta.

Queria falar desses livros aqui, mostrar a capa antes de eles serem publicados, pedir opiniões, dividir mais minhas opiniões, falar sobre meu processo de escrita, continuar postando crônicas e também textos que me tomam menos tempo, como este aqui. Assim, de uma maneira não necessariamente engraçada, vou acabar voltando a falar mais sobre o meu dia a dia – que, nos últimos tempos, consiste basicamente em ler, escrever e cuidar da minha filhota. Enfim, vou voltar a ter mais assiduidade e, espero, mais diálogo.

Blog é isso, de um lado um escrevendo o que quer, do outro um lendo se quiser, mas é claro que quem escreve quer se comunicar. Então, termino este post dizendo: espero que vocês gostem desta nova fase.

P.S.: nova fase editorial que se preze merece nova fase gráfica. Daqui a pouco chega o novo layout do @marciocaparica 😉

16 comments to “Blog novo de novo!”

Você pode deixar um comentário ou Trackback para esse texto.

  1. Paola Cunha - 6 de março de 2013 at 13:26 Reply

    Lili, você pode escrever sobre tudo e qualquer coisa!!! Seus textos são fantásticos! (aqui entre nós: lembro dos desenhos que você fazia; quem sabe não anima a fazer alguns para ilustrar seus textos? Será que cabe, que é possível?) Um beijo para vc e outro para a filhota!!

    • Liliane Prata - 6 de março de 2013 at 13:59 Reply

      Obrigada pelo entusiasmo, Paola! Quanto aos desenhos, sem planos de publicá-los. Aliás, eu tinha certeza, até este momento, que só minha mãe gostava deles…

  2. Luisa Pinheiro - 6 de março de 2013 at 14:11 Reply

    Liliane, engraçados, reflexivos ou nenhum desses… o importante é realmente esse contato. Bom saber que as atualizações ficarão mais frequentes!

  3. Marina - 6 de março de 2013 at 18:18 Reply

    Seu blog me foi apresentado por uma amiga quando tinha 13 anos e o sigo até hoje com 21, fico muito feliz que vc queira voltar aos poucos. Não que o principal como leitora seja querer saber sobre sua vida, mas uma característica muito forte do seu blog era que quando eu queria relaxar e até rir eu vinha pra cá. Sua maneira de escrever é leve e o público que vc conquistou por todo esse tempo gosta disso, talvez por isso o seus leitores tenham se afastado além do motivo da ausência. Claro que como vc disse o blog é pessoal, seu, e vc faz o que quer, mas não dá mudar e querer agradar as mesmas pessoas. Escrever de uma maneira mais informal, pedir opiniões, fazer posts sobre assuntos aleatórios e até falar sobre situações do dia a dia é a melhor pedida pra interagir com leitores, se é isso que vc quer. Pelo menos é o que eu acho. Já estou ansiosa pelos próximos posts.

    • Liliane Prata - 6 de março de 2013 at 18:28 Reply

      É, acho que é bem por aí. Por um tempo, eu quis mudar pq tinha cansado, mas é como vc disse, não dá para mudar e querer agradar as mesmas pessoas – a opção tem esse preço. Agora estou animada para dividir tudo de novo – acho que a solidão me cansou! Acho mto legal alguém que me leu aos 13 anos ter o interesse de ver no que está dando tanto tempo depois. Volte sempre 🙂

  4. Mari - 6 de março de 2013 at 19:07 Reply

    Sabe o que acho fantástico? Quando eu lia sua coluna na Capricho, parecia que você era minha irmã mais velha, dando aqueles conselhos que só uma irmã mais velha poderia dar. rsrs
    Hoje, parece que “envelhecemos” juntos e passamos por fases parecidas.
    Seja lá o que você vai escrever, eu lerei. 🙂
    Beijos

    • Liliane Prata - 6 de março de 2013 at 19:45 Reply

      Tb tenho essa sensação. É meio estranho qdo uma leitora me diz que tinha 16 anos e eu lembro que, caramba, eu tinha 22 – agora estou com dez anos a mais. Obrigada pelo entusiasmo!

  5. Mayara - 7 de março de 2013 at 17:12 Reply

    Como mta gente, eu te conheci na Capricho, quando vc começou com suas crônicas, depois vim te seguir no blog da UOL, aí migrei pra cá, e coloquei no google reader, para nunca perder nenhum texto, nenhuma crônica e nada.

    Como sua fã, obviamente gosto de tudo que vc posta, crônicas, fatos aleatórios da sua vida e tals. Claro que, como no começo vc falava mais de si, suas relações familiares, é natural que aquela curiosidade de saber como você ficou, o que você tem feito, mas é aquela coisa, sabe? Sentimento de amiga, que gosta, acompanha e se preocupa..Volta sim que estava com saudades!

    • Liliane Prata - 7 de março de 2013 at 19:05 Reply

      Sei como é, tenho isso com alguns blogs! Vira e mexe, por causa do blog, me perguntam como estão meus pais e meu irmão – que, aliás, vão bem, obrigada 🙂

  6. Celso Moraes - 24 de março de 2013 at 14:52 Reply

    Fiquei sabendo de seu blog hoje, este é o primeiro texto que leio, e gostei muito. Também tenho problemas similares para manter meu blog (atualmente parado). Mas fiquei incentivado a retomá-lo, até porque também gosto demais de blogar. O que mata um pouco é ser uma voz que clama no deserto… Abraços e continue produzindo, virei sempre aqui.

    • Liliane Prata - 24 de março de 2013 at 16:13 Reply

      Pois é, é bom que o ânimo de blogar venha acompanhado do ânimo de divulgar, senão é qse certo que a preguiça apareça… Volte sempre 🙂

  7. Camila Oliveira - 25 de março de 2013 at 22:30 Reply

    Uhuuul! Mais textos da Lili 😀
    Acredito que eu amadureço junto com o blog, rsrs.

  8. José Ramos Ignácio. - 9 de abril de 2013 at 22:10 Reply

    GOSTARIA DE TER TAMBÉM DE TER UM BLOG, MAS SÓ AGORA ESTOU TENDO ESSE CONTATO COM VOCÊ. CONFORME VOCÊ ESCREVEU, NÃO É MUITO DIFÍCIL, O QUE É PRECISO É UM POUCO DE CONHECIMENTO E BOA VONTADE. ESTOU CERTO.

  9. Nataly - 22 de abril de 2013 at 15:00 Reply

    Lili, sou sua leitora desde a época em que você tinha aquele blog rosa, com listras e uma foto sua tomando uma xícara de café no cabeçalho do layout. Adorava as suas postagens, elas me inspiravam. Foi por causa de você, e vai parecer bem piegas o que eu vou falar, que eu quis – e estou fazendo – faculdade de jornalismo. Estou feliz em saber que as postagens vão ser mais frequentes. Sucesso na nova fase do blog. Bjs.

    • Liliane Prata - 22 de abril de 2013 at 16:43 Reply

      Haha verdade, era esse o layout. Obrigada pelos votos, espero que esteja gostando da faculdade e que continue aparecendo por aqui 🙂

Deixar comentário

Your email address will not be published.