5 livros para repensar a vida

Minha amiga Isabella e eu sempre trocamos sugestões de livros. Nosso gosto quase sempre bate, é impressionante! Foi ela que me indicou o premiado autor japonês Yasunari Kawabata, de quem li Beleza e Tristeza e A dançarina de Izu, e a cubana Wendy Guerra e seu Nunca fui primeira Dama, entre muitos outros. A Isa gostou tanto de Diário da queda, do gaúcho Michel Laub, que comprou um para mim – que está aqui na fila para ser lido.

Todo esse prólogo para dizer que a Isa tem um blog muito legal sobre gastronomia e cultura e me pediu para indicar cinco livros bons para repensar a vida. Sim, sou da opinião de que, quando uma pessoa é reflexiva, qualquer coisa a faz passar a vida a limpo, até uma pessoa fantasiada de frango na avenida Paulista. Mas tem livro que é um verdadeiro convite – e aí vão cinco indicações que estão entre minhas preferidas.

O que eu amava 
Siri Hustvedt
Esses livros que acompanham a vida dos personagens por décadas são um prato cheio para reflexões sobre a passagem do tempo – e a velhice, a morte, as mudanças por que passam o amor e as relações. Siri Hustvedt é mulher do famoso Paul Auster e se firmou como escritora com voz própria – e voz competente. A narrativa de O que eu amava é delicada e, ao mesmo tempo, densa e reflexiva, e não deixa escapar nenhum dos grandes temas – acolhendo muitos suspiros, lembranças e, talvez, até algumas lágrimas.

Ilusões Perdidas
Honoré de Balzac
Impossível ler Ilusões e não repensar a vida, e a vida mais especificamente em uma sociedade onde a imagem tem muito valor, a futilidade corre solta e o sucesso tem seu preço – e suas trapaças. Acompanhar a tentativa de Lucien de sair do interior da França e se firmar como poeta em Paris é acompanhar temas como inveja, ambição e falsidade. E é Balzac – o que significa que a trama é o de menos em um texto maravilhosamente escrito, que faz poesia com as mazelas humanas.

Comer Rezar Amar
Elisabeth Gilbert
Não foi à toa que o relato da jornalista americana Elisabeth Gilbert virou febre – e filme, e tema de mil reportagens pelo mundo. Com um texto engraçado e ao mesmo tempo inteligente, a autora fala sobre as três viagens internacionais que fez depois do seu divórcio, mas principalmente sobre a busca por autoconhecimento e por espiritualidade.  Não é preciso ser mulher nem concordar com as crenças espirituais de Gilbert  para repensar as próprias experiências a partir das experiências dela.

Coisas da Vida
Martha Medeiros
Um livro de crônicas leves, curtinhas e certeiras. Como o nome sugere, Coisas da Vida fala desses temas pertinentes à vida de qualquer um e à condição humana em geral: dores, amores, filhos, morte. O texto de Martha é objetivo e não tem muitos rodeios, até porque o espaço é curto – mas, em alguns momentos inspirados, a autora consegue fazer poesia em uma linha. Conheci o texto de Martha quando fiquei curiosa para saber quem era a cronista preferida do técnico Tite, e aconselho (muito!) a leitura desse livro na praia, no clube, numa sala de espera…

A paixão segundo G.H.
Clarice Lispector
“Eu me trato como os outros me tratam, sou aquilo que de mim os outros veem” – diz G.H. logo nas primeiras páginas desse que é um livro simplesmente fenomenal de Clarice Lispector (se eu não detestasse o adjetivo “obrigatório” para livros, diria que é uma leitura obrigatória). Quem nós somos, o que está além da nossa rotina, como lidamos com nossas sombras, com nossa humanidade e mais, como lidamos com o inumano do humano – é disso que trata A paixão segundo G.H. Se o livro anterior permite uma espreguiçadeira à beira de uma piscina, a densidade desse aqui pede toda a atenção do mundo, impelindo qualquer leitor a repensar a sua identidade, sua humanidade e sua vida.

A foto acima foi tirada pela Isa – é um trecho do meu livro À revelia que ela usou para ilustrar o post. Quem quiser ver o post dela e também ler o trecho, é só clicar aqui.

Has one comment to “5 livros para repensar a vida”

Você pode deixar um comentário ou Trackback para esse texto.

  1. Camila Oliveira - 27 de março de 2013 at 15:26 Reply

    Lili,

    muitos livros passei a ler por sua causa (leia-se culpa)… Um exemplo: Pergunte ao Pó. Amei!

Deixar comentário

Your email address will not be published.