Sobre as pessoas simpáticas

Há alguns anos, trabalhei com um fotógrafo que era uma simpatia.

Eu era a editora de uma série de vídeos. O trabalho exigia que eu e a equipe passássemos cinco dias juntos, andando e filmando para lá e para cá. Não me lembro de ninguém dessa equipe. A não ser, claro, do fotógrafo. Cerca de cinqüenta anos, cheio de casos engraçados sobre o trabalho, a família, as viagens, a vida. Cumprimentava todo mundo calorosamente, sorria sem parar. A típica pessoa simpática. Eu, claro, gosto de pessoas simpáticas. Gostei de todo mundo da equipe, mas gostei mais dele. Quando o trabalho acabava, era com ele que eu conversava sobre o trabalho, a família, as viagens, a vida. Superlegal.

Bom. No último dia de trabalho, esse fotógrafo simpático me ferrou. Foi uma coisa meio vilão de novela, com direito a mentira, difamação e fuga. Me passou para trás, mesmo. Tive o maior trabalhão para desmascará-lo para a empresa que tinha me contratado. Foi a primeira e última experiência profissional que tive desse tipo. Foi também a primeira e última vez que usei a palavra “desmascará-lo”.

Naquele dia, cheguei em casa péssima. Meu marido ainda não tinha chegado – caixa postal, reunião. Um amigo deu o azar de me ligar justamente nessa hora. Foi para ele o desabafo. Ele mal entendia a história, porque eu só conseguia dizer:

– Mas ele era tão simpático!

Esse meu amigo é executivo. Ele comanda uma grande equipe numa grande empresa e trabalha com pessoas simpáticas e antipáticas há muitos anos. Mas trabalho, mesmo, ele teve comigo, quando tentou me explicar o óbvio: uma pessoa antipática pode ser a mais leal de uma equipe. E uma supersimpática pode ser justamente a que vai te ferrar.

– Não pode ser – teimei. – Pessoas simpáticas são ótimas! Quem não prefere ter um chefe simpático?
– Você prefere um chefe simpático ou um chefe justo?

Esse meu amigo é bem persuasivo.

Desliguei o telefone pensativa. Comecei a me lembrar das pessoas simpáticas que tinha conhecido ao longo da minha vida. Depois, das antipáticas. As meio-termo ficaram de fora. Eu só queria me lembrar de pessoas como o fotógrafo, uns amores, mas não exatamente confiáveis. Lembrei. Também lembrei o oposto: pessoas antipáticas que sempre mereceram minha confiança.

(Claro, também encontrei simpáticos confiáveis e antipáticos de caráter duvidoso, mas isso não ajudava em nada meu aprendizado recém-conquistado na conversa com meu amigo, então viva o maniqueísmo!)

Fui tomar meu banho arrasada. Simpatia não garante NADA. E eu, que sempre procurei ser simpática com os vizinhos, o porteiro etc. Às vezes, sou simpática porque estou num dia simpático, mas, às vezes, me esforço para dar sorrisos e tal. Para quê? Simpatia não mostra nada sobre o caráter, a índole, a alma de uma pessoa. Na verdade, em tempos de relativismo, nem sei se cabe falar em caráter, índole, alma – sobre essa última, ainda podemos alegar que a metafísica morreu no século 18. O ponto é: naquele dia, melhorei meu vocabulário e aprendi que “simpático” não é sinônimo de “legal”.

Mas é claro que, no meu trabalho seguinte em equipe, meses depois daquele, me deparei com outra pessoa supersimpática. Afinal, elas estão em toda parte. Dessa vez, era uma mulher, dessa vez, uma jornalista. Ai, que simpatia. Dessas pessoas simpáticas que só perguntam seu nome uma vez e já vão decorando como você se chama, como seu marido se chama, como você costuma pedir seu café. Prestam atenção a tudo, contam casos espirituosos, se abrem na medida certa, não falam de mais, nem de menos, sorriem. Enfim, o tipo da pessoa que me faz pensar, sem nem conhecê-la direito: “Que pessoa bacana!”

Nem preciso dizer que esqueci tudo o que tinha aprendido com o episódio do fotógrafo e com os conselhos do meu sábio amigo.

Porque ser simpático pode não significar nada, mas e daí? Não me importo: eu simplesmente adoro quando as pessoas são simpáticas comigo. Me sinto querida, meu humor fica bom, meu dia fica bom. Pode não significar nada, mas tudo tem que significar alguma coisa?

Está resolvido. Se eu cruzar com alguém não muito confiável, que essa pessoa não me faça aturar, além da sua falta de confiabilidade, a sua cara amarrada. Se alguém for desleal comigo, que, pelo menos, seja desleal depois de um cafezinho regado a conversas bem simpáticas. Porque, afinal, como diria Casimiro de Abreu, simpatia é quase amor.

10 comments to “Sobre as pessoas simpáticas”

Você pode deixar um comentário ou Trackback para esse texto.

  1. Luana Furtado - 28 de fevereiro de 2012 at 11:30 Reply

    Adorei o texto!! Estava com saudades de ler o blog! Eu também tenho essa simpatia por pessoas simpáticas! hehe… Mas também já me ferrei com uma pessoa que sempre fazia brincadeiras quando me via, tinha assuntos em comum comigo, enfim, se demonstrava uma amiga. Fiquei arrasada por, de repente, perceber que não era confiável. É fogo viu… que pessoas infelizes. Nós que gostamos da simpatia e de acreditar na boa alma das pessoas somos muito mais felizes!

    Beijos, Lili!

  2. Jéssica Cruz - 5 de março de 2012 at 10:04 Reply

    Poxa vida, eu sou o oposto total: odeio pessoas muuuuito simpáticas. Para mim, elas estão sempre forçando a barra sabe, é quase um sinônimo de falsidade!

  3. Alexandre de Andrade - 15 de março de 2012 at 1:02 Reply

    Ôh saudade que eu estava dos seus textos, Lili (tá, soou bem íntimo pra alguém que você nem conhece, rs).
    E quanto ao tema, de qualquer forma, independente da postura que adotamos no trato diário com as pessoas com quem convivemos, acho válido considerar a “dica” e ficar de olho aberto, com os simpáticos e com os nem tanto assim.

  4. leonardo miranda - 4 de abril de 2012 at 13:02 Reply

    Estou adorando o blog, muito legal achar matérias sobre tantos temas, e com um ponto de vista tão completo!

  5. Thais - 6 de abril de 2012 at 13:48 Reply

    Adorei esse post sobre as pessoas simpaticas. É tenho que concordar com você, que realmente prefiro pessoas simpáticas, o mundo é tão contraditório as vezes.Costumava ler suas colunas na Capricho e lia seu blog também, hoje tenho 20 anos e fiquei feliz em saber que você ainda tem o blog.

  6. Giulia - 2 de maio de 2012 at 13:47 Reply

    Não sei se é a falta de experiência no trato social ou se é meu jeito mesmo e amém, mas prefiro pessoas “neutras”. Não fico triste se alguém é antipático comigo, nem alegrinha se sou tratada com simpatia.

    Vai ver que pessoas que não têm uma índole apreciável usem a simpatia e a atenção (efêmera ou não, conscientemente ou não) como compensador em suas vidas. Isso garante relações gostosas e alegres, mas não duráveis.
    O contrário pode acontecer com os antipáticos (time do qual eu faço parte =P hehehe)

    Beijo

  7. Estevão Felipe - 4 de maio de 2012 at 1:35 Reply

    Olha quem resolveu escrever !! (:
    Amei o texto lili, melhor do que criticas sobre livros e textos seus, são suas “histórias”

    Grande Abraço !!

Deixar comentário

Your email address will not be published.