Ela e as justificativas dela

Ela não queria ter filhos. Nunca quis ter.

Nas duas vezes em que casou, deixou claro ao marido que não pretendia engravidar. Ela usava esse verbo, pretender, mas era só para não se mostrar muito inflexível. Porque não é que ela não pretendia: ela não teria filhos. Simples assim.

Quer dizer, não tão simples. Porque alguém espalhou que, quando você casa, você tem filhos, e, se você não quiser ter filhos, que ao menos se dê ao trabalho de apresentar ao mundo uma boa justificativa. É aí que entra o problema. Ninguém aceitava as justificativas dela.

Ela se separou do primeiro marido por motivos que não tinham nada a ver com essa questão e, depois de alguns anos, casou-se novamente. Pois bem. No início, o marido não a cobrava sobre ter filhos, mas a sogra, sim. A sogra sempre perguntava:

– Por que não?
– Porque gostamos muito de viajar – essa era a justificativa que ela costumava dar, em determinada época, para os outros e para si mesma. – Só este ano, viajamos cinco vezes, duas para o exterior.

E então a sogra vinha com uma lista de casais que tinham filhos e que tinham viajado seis, sete, dez vezes este ano, cinco para o exterior. Você pode levar a babá, você pode ir só com meu filho e deixar o bebê comigo, eu posso viajar com vocês para ajudar, etc, etc, etc – as opções eram infindáveis.

– Na verdade, não é só porque gostamos de viajar – ela disse, certa vez, agora para sua mãe. – Preciso admitir que eu não gosto muito de criança, simplesmente.

E a mãe falava: o pai dela não gostava de criança e sempre tinha sido um ótimo pai, a Teresa, vizinha, não tinha a menor paciência com crianças e hoje era a mãe mais zelosa e paciente do mundo, etc, etc, etc.

– Acho que o mundo não precisa de mais gente – ela disse, certa vez, para o marido, que sempre dispensava as sacolinhas de plástico do supermercado e procurava substituir o carro pela bicicleta quando podia.
– Também acho. Por isso andei pensando: podíamos adotar uma criança. É uma oportunidade, aliás, de ajudar o mundo, e…
– Não!

Ela foi ficando cada vez mais aflita. Estava sendo encurralada e precisava descobrir a real justificativa de por que não queria ter filhos. E rápido! A questão só foi resolvida no dia em que uma amiga apareceu na casa dela para devolver um livro. Explico.

Quando a amiga entrou em casa, ela perguntou o que havia achado do livro.

– Não gostei.
– Não gostou? Mas por quê?

A amiga suspirou.

– Não sei… Não gostei, não sei por quê. Ou eu gosto dos livros ou não gosto. Posso tentar descobrir por que não gostei, mas o fato é que não gostei.

Ela ficou parada, observando aqueles olhinhos cheios de sabedoria à sua frente – apesar de a amiga não ter gostado de A Insustentável Leveza do Ser e, francamente, quem não gosta de A Insustentável Leveza do Ser?

– Bom – a amiga disse. – Acho que a história demora muito para começar. Quer dizer, tem outros livros com histórias que custam a começar e que eu gostei… Na verdade, acho que é só porque não fui com a cara do protagonista. Se bem que não fui com a cara do protagonista naquele livro que…
– Espera. Você não sabe por que não gostou, é isso?
– Não… Só não gostei, e agora estou tentando descobrir por quê.
– Não descubra, Maria Alice! Por favor, não descubra. Deixe o livro aí em cima da mesa e vamos para a cozinha. Me diga uma coisa, e seu filhinho com o Pedro, quando vem?
– Espero que logo. Sou doida para ser mãe, você sabe! Sempre fui.
– Que legal… Eu sempre fui doida para paparicar filho de amiga minha!

E ela foi passar um café.

31 comments to “Ela e as justificativas dela”

Você pode deixar um comentário ou Trackback para esse texto.

  1. Gabriella Mancini - 28 de setembro de 2010 at 16:41 Reply

    Oi, Liliane. Sempre bom visitar o seu blog. Sobre esse tema, eu já mudei tanto de ideia (hoje penso em adotar) e acho que, mais difícil do parar de inventar desculpas para os outros, é parar de inventar para si mesma.
    Beijinho,
    Gabriella

  2. Leivanira - 28 de setembro de 2010 at 16:58 Reply

    Vivo o mesmo drama e me vi, perfeitamente, nos diálogos de ‘justificativas’. Além disso, a humanidade é tão previsível e chata que a não aceitação do outrovem sempre baseada nos mesmos argumentos.

    Aliás, se me perguntarem qual meu maior sonho, a resposta será: que a humanidade aprenda a aceitar as escolhas do outro e pare de fundamentar a sua vida (e a do próximo) em pseudo verdades que foram plantadas sabe-se lá por quem. Afinal, quem foi que estabeleceu essa regra de que, para ser feliz, precisamos nos casar e ter filhos? Basta olharmos para uma leva de pessoas que cumpriram a regra e nunca conheceram a real felicidade… até hoje.

  3. carlinha abreu - 28 de setembro de 2010 at 17:19 Reply

    caramba, eu também sou assim: não tenho jeito com crianças, gosto da minha liberdade, acho que quem tem filhos nunca respira em paz e sem medo etc.

    até o dia que fui ao interior enterrar a minha avó. de repente, estávamos eu, minhas irmãs, meus pais, tias e primos chorando por ela e dando um beijo de despedida.

    então, deu aquele estalo: eu quero isso. quero uma família, quero ter esse amor, quero ser lembrada, passar meu sangue e meus ideais para alguém.

    enfim, acompanho seu blog há anos e, se for pessoal como achei, tenho a impressão que você seria uma ótima mãe. e que encheria seu lar de livros, músicas e muito amor.
    adorei a crônica.

    • Lili - 28 de setembro de 2010 at 18:04 Reply

      Mto gostoso ler isso agora que estou grávida 🙂
      Gostei do seu estalo. Para mim, ser mãe nunca passou mto por racionalização. Como vc, prezo mto minha liberdade, não tenho jeito com crianças, e ainda adoro viajar, e concordo que tem mta gente no planeta… msm assim, sempre quis ter filho 🙂

  4. Tainara Costa - 28 de setembro de 2010 at 22:50 Reply

    Quando comecei a ler achei que tinha alguma coisa autobiográfica, fiquei pensando se vc estava grávida e tinha escrito esse texto para mostrar que vc mudou de opnião e tal.No final vi que não foi bem assim,mas adorei o final, bem interessante!
    Eu já tive vontade de ter muitos filhos pq como sou filha única nunca convivi com coisas tipicas de pessoas que tem irmãos,mas hj vejo que a sociedade tá tão estranha(desculpa pelo termo,mas foi o q eu achei melhor nesse momento) que tenho medo de colocar uma pessoinha nesse vasto mundo.Penso em adotar pq acho meio q um ato de egoísmo querer um filho sendo q tem tantos sem amor de pai e mãe,mas minha mãe diz que quer eu dê continuidade ao sangue da minha família hahahaha acho muito divertido essa forma dela me convencer. Mas é bem provável que eu mude de ideia com o passar do tempo,algo bem tolerável eu penso.
    Depois li nos comentários que vc está grávida!!! Achei um máximo,vc será uma ótima mãe viu.
    Parabéns

  5. Ana Paula - 29 de setembro de 2010 at 21:06 Reply

    Não ia comentar, mas vc falou que está grávida, então vou só deixar meus parabéns ^^
    Aposto que vai ser um menino e que vai ter um gosto por leitura igual vc {haha, alocka das previsões!}
    beijo, felicidades!

  6. Diana Rezende - 30 de setembro de 2010 at 1:31 Reply

    Confesso que entrei nos comentários só pra ver se, como eu, as pessoas tinham tido a impressão que você tava meio que “se justificando” um pouco. E já estava tecendo meus argumentos pra te convencer de que você daria uma ótima mãe e que você tem sim que ter filhos, pelo amor de deus!
    (engraçado como a pessoa lê o seu blog há anos, te segue no twitter e acha que te conhece só por causa disso. Juro que tenho a impressão que se um dia te encontrar na rua vou ir te cumprimentar como amigas de infância!)
    Mas aí eu vi que você está grávida e nem sei mais por que tô comentando!
    Eu adoro muito tudo isso de gravidez, filhos e crianças, fico besta de empolgada com essas coisas. Então acho que o comentário é pra desejar um enorme parabéns e dizer que tô feliz que nem se fosse minha amiga de infância (:

  7. Clarissa de Belém - 1 de outubro de 2010 at 0:19 Reply

    Lili! PARABÉNS!

    Que seu bebe seja muito saudável e que a sua família seja muito muito muito feliz! ^^ Adorei a notícia! 😀

  8. Camila Oliveira - 1 de outubro de 2010 at 12:21 Reply

    Lili, parabéns!!!!
    Tô feliz por você, e que bom que você postou, amei!
    Mtas vezes sou assim, não gosto e pronto! E não me pergunte o por que quando não sei…
    Enfim, me identifiquei como sempre!!
    bjs!

  9. Amanda - 1 de outubro de 2010 at 15:56 Reply

    :O
    Que legal!!! Parabéns mamãe Lili!!!
    Sigo vc faz anos, e amo tudo o que vc escreve, desde “Desneurando” (tenho que admitir que é a minha irmã quem assina a Capricho mas sou eu quem sempre arranca a ultima pagina) até seus livros e blogs. E eu admiro muito sua personalidade – conforme retratada nos seus textos – te considero minha amigonaa sabe parece que vc me entende 🙂 E quando li a notícia, eu senti um gelinho de felicidade sabe, por essa nova fase da sua vida e por vc compartilhar ela com a gente (suas fãs!), quando li a cronica eu sabia que ai tinha laguma coisa.. uma Lili mais Mãe..

  10. Nataly - 1 de outubro de 2010 at 18:06 Reply

    Como muita gente, eu vim ler sua cronica, daí vendo os comentarios nao posso deixar de te parabenizar tb, então… Parabens ! Que sua gravidez seja tranquila e a criança seja muito saudavel! =D
    Eu sempre quis ser mae, quero saber como é gerar uma criança, mas tambem quero adotar, adoro criança e acho ótimo quando minha tia pede pra eu ficar olhando meus priminhos enquanto ela faz alguma coisa, mas nao sei se seria uma boa mae, a sociedade hoje em dia é diferente, nao sei se daria conta de fazer tudo e são tantas duvidas que surgem… Mas no fim sempre penso: porque nao ? Mas so daqui a uns anos ! Hahaha
    beeijo :*

  11. luiz santos - 3 de outubro de 2010 at 18:43 Reply

    adoro seus escritos suas conicas e tudo mais, voce é linda, que Deus te de umito mais do que voce e´pera, sucesso linda.
    luiz

  12. Marcia Dalboni - 4 de outubro de 2010 at 15:43 Reply

    Parabéns Lili!!! Leio seu blog há muito tempo, mas não comento rsrs Mas hoje não teve jeito!!!
    Fiquei muito feliz por vc!! Que esse bebê venha cheio de saúde e te traga muita alegria!
    Eu também estou grávida e por isso estou bem emotiva, portanto, de mãe para mãe: Parabéns!!!!
    beijos

  13. Mari Figueirêdo - 5 de outubro de 2010 at 21:57 Reply

    Olá Lili Prata!
    Gostei muito do seu texto! Algumas coisas na vida realmente não precisam de justificativas, são assim e ponto. Gostaria também de te parabenizar pela sua gravidez e desejar tudo de bom! Que te traga muitas felicidades daqui pra frente!! Falando nisso, o último post do meu blog foi sobre Felicidade, se quiser ler depois eu vou ficar muito feliz! 🙂
    beijos!!

  14. Bárbara - 6 de outubro de 2010 at 22:42 Reply

    Parabéns, assim como as pessoas dos comentários, tbm vim aqui para ver se era algo autobiográfica, e fiquei tão feliz!! rsrsrs É mesmo muito engraçado, tbm acompanho seu blog a anos, e parece que vc é minha amiga intima, rsrsr tbm com tantas histórias, impossível não sentir isso. Ainda mais eu, que me acho tão parecida com vc, não me pergunte pq!!! Não sei se é o signo, vc é libra não é??? Isso pq não acredito nessa coisa de signo! Não costumo comentar em blogs, nem falar com quem eu não conheço pessoalmente, mas senti que precisava comentar, kkkkk!!! Acompanho vc a tantos anos e nunca tive coragem de comentar! Mas hoje vim, Primeiro para te parabenizar, acho que é a maior novidade que nos conta em todos esses anos, não é??? Já to até imaginando alguns futuros posts , rsrsrs Levantar a noite, trocar fraldas etc. Mas em segundo lugar vim aqui dizer uma coisa, não vai ficar chateada comigo, viu!!! Sou uma super fã sua, se não a maior!! kkk Então vou falar: MORRO de SAUDADE dos seus POSTS antigos, adoro suas crônicas, mas aqueles seus posts eram muito engraçados, a forma como escrevia, então, nossaaa!!! Bom sei que vc amadureceu, mas as vezes vc podia escrever algumas coisas da sua vida e rotina. como era antes!! kkkkk Outro dia comecei a rir sozinha em uma lanchonete pq vi um Todynho, e não sei pq mas lembrei da história do seu carro, o todynho e a caneta bic! rsrsr E tbm sempre lembro da história do seu vizinho amiguinho!! rsrsrs

    • Lili - 7 de outubro de 2010 at 12:55 Reply

      Obrigada, Bárbara! Sou libriana, sim. E tenho um projeto de um texto engraçado para o ano que vem, gosto mto de escrever textos mais bem humorados! Mas, realmente, não foi uma decisão do tipo “vou escrever outros textos”. Foi mais um “não aguento mais”! Escrever do mesmo jeito e basicamente sobre as mesmas coisas me cansou, me desestimulou, enfim. Minha mãe continua peculiar, meu irmão continua me amando, meu pai continua lá com os programas de concurso de cachorro a que ele assiste, mas já escrevi tanto sobre isso. Mas os arquivos estão aí! 🙂

  15. Paola Cunha - 10 de outubro de 2010 at 8:45 Reply

    PARABÉNS Lili!!!!!! Você vai ver que ser mãe é muito legal!!!
    Assim como você, nunca fui fã de criança. Na verdade, não sou até hoje, exceto da minha’/. Não sei ser agradável, não sei brincar com elas e a grande maioria chora quando me vê (não vou nem comentar quais eram as reações quando eu tentava pegar). Sempre preferi bicho. Acho que isso é reflexo da pré-escola, quando a gente descobre que crianças não são boazinhas… Não se preocupe se você continuar a não ser fã de crianças, isso não quer dizer que você não vai amar e cuidar da sua com todo o seu ser. Imagino a alegria que seus pais e seu irmão estão! Parabéns a todos!!! Beijo

  16. Flávia Vieira - 13 de outubro de 2010 at 11:07 Reply

    Lili!!!
    Que felicidade, Parabéns! Imagino o quanto você deve estar contente e o quão sortudo seu filho(a) já é!
    beijos de uma fã!

  17. Cristiane - 21 de outubro de 2010 at 14:45 Reply

    Olá! Tenho recebido tantas notícias de pessoas que estão grávidas… mas a sua me comoveu. Fiquei feliz! Acho que a gente sente uma certa paz quando sabe que quem está recebendo alguém para apresentar ao mundo, tem a cabeça boa! Sejam felizes….

  18. Thaís Ancelmé - 23 de outubro de 2010 at 21:00 Reply

    Lili !
    Você é ótima . Parabéns e que Deus abençoe muito a sua vida nessa fase incrível . (acredito que seja e um dia espero vivenciá-la também) .
    Beijos de luz. ;]

  19. Camila Oliveira - 31 de outubro de 2010 at 16:51 Reply

    Na última vez ela passou 18 sem postar, agora já faz mais de um MÊS que ela postou o último,kkkk. Mas não tem problema tenho toda paciência do mundo pra esperar textos super interessantes, ao qual eu sempre me identifico. Tô perdoando porque você tá grávida, e como dizem: “Grávida pode TUDO!!”, hahaha…
    Beijos Lili, te adoro 🙂

  20. Luiza Maria - 20 de dezembro de 2010 at 23:23 Reply

    Tenho apenas 16 anos e sou muito sua fã. Quero ser mãe, não tão cedo claro. Penso em adotar e ter um meu, mas como o mundo hoje em dia está não vejo muita diferença. Cresci para ser independente e não sei ao certo qual será a minha decisão, creio que quando chegar a hora eu saberei o que fazer.

  21. Elisangela e Sara - 23 de setembro de 2011 at 12:04 Reply

    Adoramos o seu texto, mas não concordamos muito com sua opnião de não ter filhos, mas achamos que você ira se sentir muito melhor, mais alegre e feliz e com as energias renovadas. Abraços lili Adoramos vc!!!

Deixe uma resposta para Tainara Costa Cancelar resposta

Your email address will not be published.