Essa tristeza sem motivo

Dia desses, eu estava sentada no sofá de casa, lendo, quieta, desprevenida, quando percebi que ela foi chegando, se aproximando devagarzinho, até que se acomodou, me abraçou e ficou. Não sei se você tem isso, talvez todos nós tenhamos, uns mais, uns menos – essa companhia inesperada de uma tristeza que vem sem avisar, sem querer saber dos planos para aquele dia.

Eu me lembro de quando era criança e vinha essa tristeza, essa visita sempre muito repentina, muito exterior a mim. Eu estava brincando, feliz – até hoje, sou dessas que costumam estar felizes –, e chegava essa penetra, essa intrometida, que vinha sem avisar e também não avisava quando ia embora. E ela ficava, e meu ânimo, minha vontade, esses iam embora, e o jeito era aceitar.

Tristeza sem motivo. Aceito sem reclamar. Quando adolescente, eu tentava fugir, correr – depois voltei a aceitar, como na infância. Se a tristeza sem motivo me abraça, eu a abraço de volta, que nosso encontro é menos dolorido.

A tristeza sem motivo é interessante. É bem diferente da tristeza com motivo. Minhas tristezas com motivo, eu sempre tento curá-las com raciocínio. Pode ser vício, cálculo, pretensão. Mas eu tento e, muitas vezes, funciona. Se estou triste porque algo não deu certo, me convenço com argumentos de que foi melhor assim. Se, definitivamente, não foi melhor assim, faço um esforço para relativizar a questão. Humilho minha questão pessoal, colocando na frente dela os problemas do mundo. Envergonho minha questão temporal, esfregando na cara dela o tempo. Ou simplesmente rio da minha questão séria, fazendo pouco dela. Forço, o tempo todo, um duelo entre minha razão e meus sentimentos. Às vezes, leva tempo, mas a razão ganha. Sempre ganha. E lá estou eu, feliz de novo, felicidade nem sempre espontânea, alegria muitas vezes conquistada à força.

Mas com a tristeza sem motivo, esse método não funciona.

Não há espaço para duelos. Não há argumento que intimide uma tristeza tão pura, tão desconectada de raciocínios. Ela é tão distante de qualquer pensamento que não o entenderia, ela não se encaixa em pensamentos, ela não ri deles, ela nem os vê. Se tento argumentar, ela não me responde de volta. Se insisto, ela me abraça mais forte, me aperta, tenta me machucar. Melhor não competir. Melhor, nessas horas, deixar a hora para ela. Porque qualquer palavra é inútil, qualquer racionalização é cansativa e boba, e o tempo, afinal de contas, vai passar, e ela vai acabar indo embora, sem dizer a que veio, sem explicar se foi motivada por nada ou por todas as coisas juntas.

O bom é que, notei recentemente, a tristeza sem motivo gosta de chá quente.

Não sei a sua. A minha gosta.

Ela ignora qualquer argumento, ela não se deixa distrair facilmente por livros e filmes, ela não entende o mundo, mas se acalma com uma boa xícara de chá quente. Não cappuccino ou café: chá quente. Sopa, também. Já reparei. Ela se estressa com palavras, mas se acalma com sopa. E com abraços. Ela se sente incomodada com o mundo, mas talvez seja mais com o mundo adulto, porque aceita um gibi. Ela gosta de sol, de ar fresco. De ficar próxima à natureza – perto do mar, de um rio, uma montanha. Ela gosta, se acalma, agradece e vai embora.

Não me pergunte por quê.

Mas, como dizia Clarice Lispector, não se preocupe em entender, viver ultrapassa qualquer entendimento… Se você costuma receber uma tristeza que não quer ser entendida, não sei. Mas eu costumo e, quando ela aparece, ofereço-lhe uma boa xícara de chá.

67 comments to “Essa tristeza sem motivo”

Você pode deixar um comentário ou Trackback para esse texto.

  1. Amanda de Almeida - 24 de agosto de 2010 at 16:55 Reply

    Minha tristeza gosta de chocolate. Quando eu era adolescente, essa minha tristeza gostava de ouvir Janis Joplin. Já há alguns anos, só se satisfaz com Billie Holiday. Vai ver amadureceu, não sei. Mas acho que todo mundo traz em si um pouquinho de tristeza… Beijo!

  2. Aíla - 24 de agosto de 2010 at 17:04 Reply

    Pois comigo, ela força certas leituras. CFA, Clarice, ou qualquer outra pessoa que dê algum apertinho no coração.

  3. Larissa - 24 de agosto de 2010 at 17:25 Reply

    Minha tristeza é poeta. Quando vem me visitar gosta de ficar para escrever poesias, ler Clarice Lispector, Fernando Pessoa, Jane Austen… Passa horas desenhando formas abstratas nas folhas do caderno de matemática ao som de Taylor Swift. Depois vai embora, sem nem se despedir. Ficam os poemas escritos, as páginas desenhadas, esperando pela próxima vinda.

  4. Lena - 24 de agosto de 2010 at 17:29 Reply

    Liliane, assim que vi a url desse post em seu twitter eu vim aqui. Eu tenho medo de ficar triste. Tenho medo por que já vivi depressão e tenho medo de viver novamente, mas eu sei, Liliane, que essa tristeza passa. Ainda não me acostumei com essa tristeza, esse incomodo. Às vezes me ataca quando chego em casa e para onde irei? Fico perturbada, torcendo para que passe, às vezes demora, às vezes acordo com ela e passa…

    Ela passa com abraço também, e eu concordo com a citação de Clarice que viver ultrapassa qualquer entendimento e que devemos ser quem somos e ter paciência com nosso tempo, nossas emoções, ao invés de torcer para estarmos sempre eufóricos e satisfeitos, acolhermos – como você faz – essa tristeza repentina pois TUDO PASSA e volta, e passa e volta. Ciclos.

    Muito, muito bom saber que existe alguém que soube descrever esse “assombro” de forma agradável e que aprende a conviver com ele. Estimo aprender mais e mais, apesar dela não aceitar argumentos!

    Beijocas!

  5. Luana Furtado - 24 de agosto de 2010 at 17:58 Reply

    A minha tristeza era com motivo: você não postava há tempos! Agora passou… hehehe..

    Beijos, Lili… adorei o texto!!

  6. Juliana Lopes - 25 de agosto de 2010 at 8:04 Reply

    A minha tristeza gosta de Clarice Lispector, de escrever e de Orkut (ficar procurando comunidades engraçadas me anima…).

    Eu tento respeitar ao máximo os meus sentimentos, mesmo a tristeza sem motivo. O que seria melhor: ficar com uma tristeza sincera ou com uma alegria falsa? Eu fiz um texto (http://pessoaesdruxula.blogspot.com/2010/08/temos-o-direito-da-tristeza.html) no início do mês que fala exatamente sobre isso.

    Parabéns, Lili! Ótimo texto 😀

  7. Larissa - 26 de agosto de 2010 at 18:28 Reply

    Muito bom esse texto.
    Minha tristeza adora Kenny G e chá quente de maça com canela.

    • magna - 16 de novembro de 2010 at 2:39 Reply

      minha tristeza ama kenny g e laura pausini,e um chá quentinho mas eu ainda nao consigo lidar muito bem com ela1fico muito sensivel e choro muito, mas amei o texto a descriçao e muito bom saber que nao sou a unica com o problema!beijos obrigada

  8. Ana Zatorre - 27 de agosto de 2010 at 23:46 Reply

    Pensei que era a única no mundo a ter essa tristeza! Acho que minha “tristeza sem motivo” ficou decepcionada por eu ter descoberto isso haha

    PS: A minha adora chocolate e uma boa cama.

  9. Marina Freire - 28 de agosto de 2010 at 11:45 Reply

    Talvez essa tristeza seja uma placa de Stop. Uma placa que diz: pare, cuide um pouco de você, vamos refletir na vida tomando um chá quente e olhando o mar. E nada mais. Estilo um ”vamos com calma”
    Talvez ela não seja tão externa assim… Talvez seja nossa alma pedindo atenção

  10. Arthur Araujo - 28 de agosto de 2010 at 17:56 Reply

    Eu, melancólico ao extremo e sempre muito silencioso e pensativo (até demais), tenho a tristeza como grande companheira. Acho que aquela felicidade incrível, que te dá vontade de dançar e festejar, seja burrice – porque exclui o conflito. Já tive depressão na minha puberdade, porque me sentia deslocado e principalmente porque não me conhecia como me conheço; hoje entendo minha alma inconstante de “artista” e me sinto feliz praticando minha arte.
    O que me irrita é gente que não admite a tristeza e acha isso errado!

    Obrigado, Lili, por sintetizar uma emoção tão intensa num texto não leve e saboroso!
    PS: sou mega-fã da sua coluna na Capricho e, por isso, sempre assalto a revista da minha irmã.

    A.

  11. uma garota - 30 de agosto de 2010 at 12:28 Reply

    achei seu texto pelo MachoModerno.com.br
    belo texto, ainda que não seja bela – nem tampouco feia – a tristeza inconvidada…

    minha tristeza sem razão também chega como quem não quer nada, além de ficar só só comigo. ela não gosta de chá, seja quente ou não, nem de sopa. gosta de sossego. gosta de cobertor, de sofá e de dormir.
    ela gosta do ditado que algum dia alguém ditou: dormir longamente para evitar cair em desespero.

    quando ela, após horas ou dias, por vezes, finalmente adormece, volto a ficar bem… pelo mesmo motivo por que ela chegou: nenhum. simplesmente.

  12. gabi - 30 de agosto de 2010 at 20:07 Reply

    Sabe que estou me sentindo assim hoje e já tentei colocar a culpa em muitas coisas possíveis pra estar assim. Mas, poxa vida.. Ainda faltam mais de 15 dias pra eu ficar menstruada, então não é TPM 🙁

    Gosto de tomar chá de hortelã quando estou triste , sabia? E nunca tinha associado que tristeza sem motivo gosta de chá quente. É uma teoria ótima!
    Me faz um bem enorme!

    Aliás! Vou ali tomar chá e volto depois 🙂 hauhahu

    Beijo!

  13. Marcela - 30 de agosto de 2010 at 23:28 Reply

    A minha tristeza gosta de filmes, leite e explicações, por mais que seja um simples desiquilibrio quimico do meu organismo, tenho que rever a minha vida inteira atras de um motivo para aquela melancolia, só assim ela se alcama e vai embora.

    Parabens pelo seu blog, você escreve maravilhosamente bem.
    bjs
    Marcela

  14. Rafaelle Vieira - 3 de setembro de 2010 at 16:44 Reply

    oi liliane adoro os seus textos, comecei a admirar seu trabalho através da coluna da capricho sou leitora e amo tudo que você escreve; um dia quero escrever tão bem quanto vc.
    A minha tristeza adora escrever nesses momentos os meus melhores companheiros é a caneta e o papel uso os momentos que a tristeza insiste em me acompanhar como inspiração para fazer o que mais amo que é escrever.
    obrigado por mais uma fonte de inspiração que é suas palavras, o seu blog é maravilhoso!
    Beijos!
    Rafaelle

  15. Nataly - 3 de setembro de 2010 at 23:01 Reply

    Pra falar a verdade eu sou meio como vc, desde criança eu sinto essa tristeza que vem nao sei de onde, fica por um tempo e vai embora assim como apareceu, e vc descreveu de um jeito que ate as pessoas que nao acreditavam muito em mim me entenderam. Eu acho que minha tristeza passa quando eu choro, porque parece que ela vai embora junto com o choro, como se eu tivesse desabando tudo o que eu venho guardando durante um tempo e depois eu volto a ser feliz de novo :] Daí eu leio um livro ou vejo um filme que são meio tristes, choro junto com os personagens, fico meio pensativa e vejo que a gente tem que viver aproveitando as coisas ao maximo, porque se ficar pensando nas coisas ruins ou sendo negativa nao ajuda em nada.
    Adoro os seus textos Liliane!
    beeijo :*

    • Lili - 6 de setembro de 2010 at 1:06 Reply

      Gente, se vcs soubessem como amo ler as histórias de vcs! Obrigada por compartilharem as experiências. Aliás, ando conhecendo mtos blogs bacanas por aqui 🙂

  16. Paola Cunha - 6 de setembro de 2010 at 1:58 Reply

    Olá! Seus textos me surpreendem a cada dia, isso é sempre muito bom!
    Minha tristeza gosta de sorvete de chocolate em grandes quantidades, mesmo no inverno, e de usar moleton, mesmo que seja verão…
    Beijo

  17. Mari Figueirêdo - 7 de setembro de 2010 at 14:47 Reply

    Olá Liliane!
    Tenho 17 anos e é a primeira vez que visito o seu blog, porém sempre identifiquei os meus pensamentos com os seus na Revista Capricho. A cada vez que lia seus textos me impressionava pois todo o conteúdo que tinha no seu texto, tinha na minha cabeça, só que com uma diferença: o seu texto tinha um ponto final, de afirmação, ou até mesmo uma exclamação. E na minha cabeça, uma interrogação bem grande. E no fim da leitura ela ficava com os famosos três pontinhos (…) refletindo em minha mente, formando minhas próprias opiniões!
    Há uns dias atrás perguntei à uma amiga: “Qual o remédio pra tristeza sem motivo?” e ela ficou meio sem saber o que falar. E para minha surpresa (mais uma vez), ao vir pela primeira vez no seu blog, me deparo com esse assunto! Li o texto e percebo que realmente essa tristeza dá e passa. Não há o que fazer a não ser aderir. Acho que da próxima vez que ela chegar, vou oferecer algo pra ela e descobrir o que ela gosta. Afinal, ninguém é feliz se nunca foi triste. Mesmo sem motivo.
    Seu blog é muito bom Lili! Eu também escrevo, primitivamente é claro. Mas estou pegando a prática escrevendo assuntos da minha própria vida.
    Beijos!!

  18. Marcos - 14 de setembro de 2010 at 11:32 Reply

    A minha tristeza é cinza e chega com a chuva fina, mas não me faz surpresas, pois sempre a espero após dias de sol.

    Maravilhoso seu texto!

  19. Larissa - 16 de setembro de 2010 at 21:27 Reply

    Liliane! Essa é a primeira vez que venho aqui, por indicação da minha amiga Mariana, que comentou aqui em cima! Como ela, me identifiquei de cara com os seu blog, assim como sempre me identifico com os seus textos na Capricho. É reconfortante saber que você não é a única pessoa a se sentir de um jeito. Essa tristeza sem motivo ás vezes vem me visitar também, e hoje descobri que não é exclusividade minha. Descobri também que ela não é tão ruim como se pode pensar. A minha tristeza gosta de filmes, livros, do meu cachorro, de abraço, de uma soneca… De muitas coisas, que, daqui em diante, vou ficar mais atenta! Gostei muito de descobrir isso tudo, e já virei fã do blog. Seus textos são inspiradores de verdade!

  20. Rafaela - 17 de outubro de 2010 at 3:43 Reply

    Eu tbm sinto mto isso , minha psicologa diz qe ée porqe as vezes temos um problema qe ainda nos incomoda…

  21. Ângela - 27 de novembro de 2010 at 17:35 Reply

    A minha tristeza gosta de chorar, torturar,…. Quando ela vem eu não consigo suportar, ela me consome ele perdura até ao amanhecer do sol e ai parte para um lugar no mais fundo da minha alma. Ficando escondida até à próxima preocupação, desilusão, culpabilidade,…. Ela turva a minha vista interior e me culpa por tudo, não sabe o que faz e não quer saber o que prejudica… A minha mente me segura de uma maneira diferente quando ela vem… Nos momentos de solidão ela (a tristeza) me agarra no mais escuro beco e aí me dá a volta a cabeça e me faz pensar em tudo de mau, ninguém está a salvo dela todos precisamos de ajuda!

  22. Ângela - 27 de novembro de 2010 at 17:39 Reply

    Ela chega num silencioso passo de nevada, ela prende e desmorona, ela sabe magoar e magoa…. O que ela não sabe fazer?!?
    Fazer sorrir e ter esperança, porque esse é o seu ponto fraco… Ela não sabe sorrir, não sabe ser feliz porque nunca conheceu tal coisa… Ela não trai a esperança porque não a conhece… Por isso têm de lhe dar a conhecer e ela é a coisa que pode ajudar a todos nos momentos de avalanche…

  23. Erick - 18 de janeiro de 2011 at 15:17 Reply

    Então depois de alguns meses lendo sua coluna na Capricho resolvi dar uma passada aqui. Confesso que enrolei bastante, e sempre tinha a dúvida quanto a entrar num blog que talvez fosse mais feminino mas, basta saber interpretar para ver que também posso ler textos assim. E assim como o Arthur ai em cima, eu também sempre assalto a Capricho da minha irmã. Parabéns pelo seu trabalho Liliane!

  24. Marcos - 23 de janeiro de 2011 at 15:14 Reply

    Li tudo que escreveu, e só tenho uma coisa a enaltecer…vc é MARAVILHOSA! Usa as palavras simples pra explicar sobre uma tristeza sem motivo, eu diria até uma tristeza SINCERA…Digo mais, essa “”tristeza”” que mts sentem, é uma tristeza diria até que; é MARAVILHA!! sim, verdade!!!Pensem bem: ela traz um senso de realidade as coisas da vida. do dia a dia, do cotidiano, que valem OURO, pensem…é isso! Fiquem todos bem, com paz e serenidade…
    J. Marcos

  25. Amor Lunar - 13 de abril de 2011 at 10:29 Reply

    Amei seu texto, creio que a maioria tem essas tristezas sem motivo. Como sempre digo ‘ me sinto meio assim, sei lá ‘ rsrs
    Parabéns … O s textos são ótimos ….bjo

  26. karen - 22 de maio de 2011 at 2:02 Reply

    Lindo texto!! Musica, espelho e maquiagem..minha tristeza gosta disso. E as vezes isso me pega de uma forma..da vontade de chorar e ler coisas bonitas.

    • karen - 22 de maio de 2011 at 2:06 Reply

      Foi incrível, pois só depois de ler o texto pude identificar o que alivia essa tal tristeza, ou seja, ela não é tão ruim quanto parece..Até passou…rs lindo!!

  27. wladmyr - 26 de maio de 2011 at 10:03 Reply

    As vezes, como hoje, sinto essa tristeza sem saber o motivo, mas não me deixo abater, sigo com a minha agenda do dia, como se nada estivesse acontecendo.
    Antigamente era raro eu sentir isso, mas últimamente tem ficado mais frequente., normalmente passa depois de um ou dois dias (no meu caso).
    Bom agente precisa ficar atento a isso porque tristeza sem motivo pode sim ser depressão, e se for necessita de tratamento médico.

  28. Kika - 4 de junho de 2011 at 1:12 Reply

    Gostei muito do texto, que por acaso me chamou atenção pelo fato de ver que não sou a unica que tem essas sensações repentinas que aparecem tão sorrateiras, e de repente tomam conta de você e a unica coisa a se fazer é esperar a hora em que ela resolva ir embora e te deixe melhor. No meu caso é a ansiedade no seu a tristeza…Acho que cada um tem um sentimento dominador que buscamos entender.

  29. rosinha - 27 de agosto de 2011 at 15:24 Reply

    hoje estou assim,chorando desde manhã,sem motivo algum,uma tristeza sem razão de ser,adorei tudo que vc escreve parabéns,tenha um ótimo fds

  30. flora - 4 de setembro de 2011 at 11:48 Reply

    a tristeza vem com uma leve dor no coraçao

  31. Michele Camargo - 23 de setembro de 2011 at 11:46 Reply

    Adoreiiii.Você escreve muito bem
    Eu estava mesmo precisando ler algo assim para poder entender essa tristeza que as vezes me faz companhia.
    bjsss!!! Mi

  32. GISLAINE SILVA - 28 de setembro de 2011 at 11:04 Reply

    Foi bom ler esse texto, pois essa tristeza me invade as vezes!!

    Para essa tristeza ir embora, eu preciso me expressar em uma folha de papel. E mandar para alguém especial…
    Não é que eu queira que esse alguém sinta o que eu estou sentindo, apenas quero que essa tristeza vá embora!!!

    (obs: as vezes eu gosto que essa tristeza me acompanhe, pois muita das vezes, eu não tenho ninguém para desabafar e então eu me compreendo com a sua companhia).

    ABRAÇOS!!!!
    ASS: GI

  33. Tatiane Melo - 28 de setembro de 2011 at 11:04 Reply

    Lili suas histórias são incriveis,parabéns pelo trabalho.Sucesso!continue escrevendo pois comecei ler apenas o resumo das histórias mais não me sustentei tive é claro que ler ela inteira.Sua vida deve ser uma aventura por causa dessas belas histórias e deve ter grandes amigos para poder escrever.Não vou parar de ler seus textos.Amei todos

  34. Cristina Nunes - 12 de novembro de 2011 at 20:27 Reply

    quero me sentir feliz

  35. ana carolina - 27 de novembro de 2011 at 19:23 Reply

    Liliane.

    Hoje eu estou com essa tristeza e pensei vou pesquisar na net algo que me faça alioviar essa sensação é a primeira vez que leio algo seu e fiquei muito mais aliviada com as suas palavras parabens vc tem um otimo
    dom de DEUS…BEIJOSSS

  36. Douglas da Costa Car - 29 de abril de 2012 at 23:42 Reply

    Você disse simplesmente aquilo que eu precisava ouvir, aquilo que sinto e nunca entendi, aquilo que eu pensava que era só comigo…
    Muito obrigado por ter postado isso

  37. Tainá - 5 de junho de 2012 at 18:01 Reply

    Sopa e chá quente… quando eu lí me ví ali, com minha própria tristeza sem motivo! Tal e qual!

  38. MAYARA - 20 de julho de 2012 at 8:26 Reply

    Tenho isso direto, a um tempão atrás não entendia, porque as vezes estava td bem, eu estava feliz e do nada, começava a tristeza e eu queria chorar, e chorava, não sei o que é isso.. E hoje estou com depressão por alguns motivos da minha vida. E as tristezas não são mais como aquelas velhas tristezas, é uma profunda.

    • Lili - 23 de julho de 2012 at 11:19 Reply

      Oi, Mayara! Sei o que é isso. Mas você não tem que passar por isso sozinha. Há mil recursos hoje em dia para melhorar e muito esses períodos de depressão. Meu conselho: procure um psicólogo e além dele, se for o caso (só vc sabe), um psiquiatra. E acupuntura, exercícios físicos, essas coisas… Torço para que passe logo 🙂

  39. Lucrécia - 6 de outubro de 2012 at 11:26 Reply

    Oi, sempre estou assim, so que um pouco diferente, sempre quero me esconder ficar sozinha, iria pra um lugar deserto se podesse porque tenho medo de contagiar as pessoas com minha tristeza, ou causar pena… tenho vontade de simplismente desaparecer, me sinto inutil no mundo e que as ´pessoas apenas me suportam, e ao mesmo tempo sinto falta de alguma coisa que nao sei muito bem o que é… as veze me sinto bem assim e as vezes tenho vontade de morrer por me sentir assim… sera que pode ser sinal de depressao?

  40. Bruna - 21 de dezembro de 2012 at 2:15 Reply

    Que texto maravilhosoooo!!!! Sério. Parabéns

  41. MARIANA - 8 de maio de 2013 at 18:17 Reply

    Adorei o artigo. Viajei e reconheci a tristeza que me toca. Ela tb gosta de chá quente e sopa.

  42. Gheisa - 18 de setembro de 2013 at 14:59 Reply

    Entrei por acaso e amei a mensagem… simplesmente a realidade!

  43. Silvana - 28 de outubro de 2013 at 13:31 Reply

    Puxa, como foi bom ler seu texto e os comentários abaixo. Tenho essa tristeza repentina e sempre achei que era só comigo ou mesmo que era depressão ou coisa parecida. Fico muito incomodada quando estou assim e acabo com minhas energias ao procurar o motivo por estar assim. foi bom ler que a tristeza não te causa medo, e que você a espera passar, vou tentar “dialogar” com a minha quando ela me visitar.

  44. Henrique - 17 de novembro de 2013 at 5:08 Reply

    Realmente é bom ter uma segunda, terceira opinião enfim … O texto e os comentários são ótimos, com alguns ate parece que estão falando de mim, é incrível minha tristeza aparece até quando eu estou com
    pessoas que eu gosto ao meu lado … Não sei dizer se é solidão ou depressão =/ … As vezes eu
    só queria que ninguém pode-se me enxergar …
    até

  45. Marcia - 31 de outubro de 2014 at 17:34 Reply

    Lili, sim, nós somos mortais, finitos. Mas eis ali, no profundo do nosso ser, o anseio pela eternidade. Por isso o chá, a sopinha, o abraço, são tão bem vindos! Um consolo não verbal é próprio. E não quero agora a racionalidade, e sim, a metáfora. Jesus era bom nisso. Ou melhor, … ainda é.

  46. Vanessa souza - 30 de novembro de 2014 at 0:44 Reply

    Com certeza tudo isso é depressão o que me conforta um pouco é consumir todas as maneiras de chocolate dentro do quarto as vezes sinto vontade de morrer depois me arrependo e penso que ainda vale a pena viver .só que as vezes penso que as pessoas não me suportam me aturam me sinto sozinha no planeta inteiro sou um pouco antsocialacho que sempre tive depressão mas antes não entendia o que tava acontecendo comigo.Caramba estou maravilhada com suas palavras expressam exatamente tudo que sinto e não consigo explicar .Jesus te dê saúde.obrigada por reunir pessoas semelhantes que precisam de um ânimo. A sua vida é muito importante para nos.

  47. Wesley - 22 de janeiro de 2015 at 11:05 Reply

    Ola Liliane meu nome é Wesley, tenho 14 anos! Hoje dia 22/01 acordei e fui jogar online com meus amgs como faço todos os dias e então comecei a me sentir triste e n sei o motivo porem quando fico assim eu começo a lembrar de tudo de errado que eu fiz e mais coisas que eu poderia ter feito pra corrigir esses erros porem nunca encontro respostas…
    Essa tristeza eu sinto diariamente e nunca entendo as vezes meu amgs me chamam para ir numa lagoa num rio e eu fico meio pra baixo me sinto como se estivesse excluído da sociedade e quando eu n estou assim eu me sinto bem eu me sinto livre vc sabe o por que eu posso me sentir assim na maioria das vezes ??

    • Liliane Prata - 26 de janeiro de 2015 at 12:19 Reply

      Oi, Wesley! Queria te falar que melhora com o passar do tempo, mas nem sei se melhora, viu… O que, com certeza, pode melhorar, é o nosso jeito de lidar com essa tristeza. Minha mãe fala que desde que eu tinha uns 4, 5 anos, já ficava assim de vez em quando. E talvez todos nós fiquemos, cada um ao seu modo. Bom, mas meu conselho, já que você me perguntou, é que você procure seu próprio caminho, baseado na sua própria subjetividade, ou seja: empenhe-se em se conhecer cada vez melhor, não se agrida, busque um conforto aí dentro de você que com certeza existe. Quando aparecer a tristeza, abrace-a e espere-a a passar, sem se cobrar ficar feliz: não temos que ficar feliz o tempo todo, né. ESpero ter ajudado!

  48. elyne - 26 de janeiro de 2015 at 5:25 Reply

    Mecsenti mais normal agora.
    Minha gosta daquela penumbra que é amenizada com velinhas aromáticas música e silencio.
    Acho que um chá é uma boa

  49. Jonathan Oliveira - 17 de abril de 2015 at 22:03 Reply

    Descobri que minha tristeza gosta de um texto bem produzido como o seu.Parabéns,você é muito boa e obrigado por compartilhar coisas assim!

  50. Bruna - 3 de maio de 2015 at 15:13 Reply

    Oi 🙂 só queria agradecer mesmo. sempre tenho o que voce descreveu e achei seu texto quando pesquisei “tristeza sem motivo” no google.. Estava até esquentando água pra fazer chá quando pesquisei haha. li seu texto e agora me sinto tao mais leve, abraçar a tristeza é bem melhor mesmo. muito obrigada pelo texto maravilhoso, parece que ele falou com a minha alma <3

  51. Sabrina - 17 de maio de 2015 at 19:51 Reply

    Minha tristeza vem do nada, e acabo descontando em muitas pessoa que amo, souto palavras que nao deveria, e depois começo chorar igual uma loca sem parar…
    Eu realmente nao sei oq fazer…
    Dicas???

  52. Noeli - 11 de setembro de 2015 at 12:36 Reply

    Que texto maravilhoso e delicioso de ler, me vi nessas linhas… É exatamente isso, não adianta resistir, descobrir também. Deixa ela ficar e quando ela vai embora nem avisa do mesmo modo que chega, de repente!

  53. Denilson - 16 de maio de 2017 at 20:56 Reply

    Me senti dentro dessa história pois é igual a minha, até parece que quando ela sai de você, logo procura outra pessoa assim como eu é incrível saber como os problemas humanos são tão similares.

Deixar comentário

Your email address will not be published.