Não se julga um livro pela capa?

Outro dia, eu estava na Fnac da alameda Santos,  aqui perto de casa, namorando a coleção completa do Calvin, quando ouço o diálogo de duas amigas.

Amiga um: olha esse livro, que lindo! Será que é bom?
Amiga dois: pode até ser, mas ser lindo não tem nada a ver com isso, né? Não se julga um livro pela capa.

“Não se julga um livro pela capa”: discordo.  Não no sentido metafórico, que não vem ao caso. Mas falando de livro-livro e capa-capa… é claro que eu julgo um livro pela capa! Não SÓ pela capa, mas é claro que a capa conta, pelo menos algumas vezes.

Capa, não só de livro como de revista e de qualquer coisa que tenha capa, tem um propósito: ela comunica, diz algo sobre o conteúdo. Se a capa não tem nada a ver com o livro, ela é uma capa ruim. Se você abre uma revista que tem uma capa como a da Playboy e o conteúdo é de jardinagem, ela é uma capa péssima! Péssima como esse exemplo, aliás, mas enfim…

Eu, então, que evito ler resenha de livro antes de lê-lo – isso merece parênteses –, recorro à ajuda da capa muitas vezes. Não todas as vezes: costumo comprar livros ou pela indicação de amigos, e aí não levo em conta a capa, ou pela minha experiência feliz de leitura daquele autor X, ou então pela vontade de ler algo daquele autor Y. Mas, mesmo nesses casos em que escolho pelo autor, a capa pode me ajudar a decidir qual dos livros daquele autor vou levar.

(Os parênteses: resenha, orelha, quarta capa (a parte de trás do livro, para quem não sabe): tudo isso costuma ser reduto de spoilers, e nunca vou me esquecer de quando, na metade de O Idiota, do Dostoiévski, fiz a bobagem de ler a orelha e li lá qual personagem seria assassinado, simplesmente isso, qual personagem seria assassinado! Pessoas podem ler Dostoiévski por mil motivos, podem inclusive não se importar nem um pouco por saber de antemão o final da história, mas eu, não: eu não quero saber a história antes de ler, não quero saber o meio nem nada: quero ler orelha, resenha etc só depois de ter lido a história. Abro exceção para um ou outro resenhista que sei que não costuma ser spoiler, e já comprei alguns livros por causa dessas resenhas. Filmes: as resenhas de alguns determinados críticos, leio. Olhar o que está escrito atrás da caixinha do DVD, nem pensar.)

Acho que é limitado julgar um livro só pela capa; há vários livros excelentes com capas inadequadas. Mas a capa é um importante elemento para julgarmos um livro, ainda mais para quem, como eu, tem essa questão com as resenhas. Pela capa, podemos ser informados de algum elemento importante da história do livro, e podemos saber se o livro é leve, lírico, divertido, triste, romântico,“artístico” (coloquei entre aspas porque esse é um termo tão complicado, né). Para além desses rótulos – leve, lírico, etc –, capas bem feitas informam lindamente a atmosfera, o clima, a personalidade daquele livro, e por isso admiro demais o trabalho dos capistas.

Aí abaixo vão algumas das capas de que gosto e que acho que dizem muito sobre o livro.

  • Eu tinha lido Travessuras da Menina Má, do Mario Vargas Llosa, e adorado. Escolhi Elogio da Madrasta, também dele, 100% pela capa, que tem mesmo tudo a ver com o livro, mas não gostei. Ainda querendo ler mais um livro dele, escolhi este, Tia Julia e o Escrevinhador, pelo título e pela capa. Não sabia nada do livro e realmente me apaixonei. E adoro a capa (por isso ela está aqui, dã).

  • Este aqui, Beleza e Tristeza, do Kawabata, não escolhi pela capa, mas porque uma amiga tinha indicado e a gente costuma gostar dos mesmos livros. Mas acho a capa perfeita para esse livro (aliás, excelente livro).

  • Um dos livros da minha vida. Li em português, mas vi a capa dessa edição na internet  e  escolhi por ela. Essa imagem me chamou muito a atenção e eu estava com vontade de ler um autor americano. Na hora em que fui comprar, vi a foto do Leonardo di Caprio e da Katie Winslet na capa brasileira e aí vi que era o livro do filme Foi Apenas um Sonho, haha.

  • Eu queria muito ler um livro da Herta Müler, ganhadora do Nobel; minha cunhada tinha acabado de ler este e me emprestou. Acho que a capa mostra muito da sobriedade da história e do estilo de narrativa. Não gostei tanto deste livro, mas que a capa o apresenta bem, apresenta 🙂
  • Estava na República Dominicana e queria ler um livro em espanhol. Tinha curiosidade de ler algo da Isabel Allende e vi um monte de livros dela na prateleira da livraria, e escolhi esse 100% pela capa: não tinha ouvido falar desse livro (acho que só eu, né) e não gostei da palavra “espíritos” do título, porque não queria ler um livro com espíritos na história. Mas comprei e adorei, adorei esse livro.

  • O que me chamou a atenção primeiro, confesso, foi o fato de esse livro estar numa estante que tinha a placa: Tudo por 19,90.  Peguei e fiquei hipnotizada pela imagem.  Queria ler um livro do Tolstói havia algum tempo e levei toda feliz. Esse livro foi um dos melhores que li ano passado.

  • Eu estava em Auckland, na Nova Zelândia, e queria ler um livro fácil em inglês. Nem precisei abrir o livro para saber que esse era fácil, alegre e divertido (e mulherzinha!) Ri do começo ao fim.

 

21 comments to “Não se julga um livro pela capa?”

Você pode deixar um comentário ou Trackback para esse texto.

  1. Bruna - 1 de junho de 2010 at 17:06 Reply

    Lili, eu concordo com o seu texto e também acho precipitado julgar um livro apenas pela capa. Da mesma forma acho precipitado julgar o conteúdo de um blog (ou twitter) pelo último post. E acho precipitado também julgar uma pessoa por uma primeira impressão.
    Mas infelizmente a maioria das pessoas fazem isso. Julgam pelo primeiro contato. No caso do livro é a capa, no caso do blog é o último post e no caso da pessoa é a aparência.
    Beijos.

  2. Ana Paula - 1 de junho de 2010 at 19:19 Reply

    concordo. Adivinha por que eu comprei (e, afinal, A-MEI) A Menina que Roubava Livros ? 😀
    Aliás, gosta? Também gostei de O Caçador de Pipas (mas só li porque todos à minha volta diziam q era ótimo – e é mesmo) e o mais recente foi Melancia (da Marian Keys), que aliás se encaixa perfeitamente na sua últma descrição – “Nem precisei abrir o livro para saber que esse era fácil, alegre e divertido (e mulherzinha!).”

  3. Dani - 1 de junho de 2010 at 19:32 Reply

    aaaahhh.. Lili não conhecia nenhum dos livros que vc colocou ateh que, qual nao foi minha surpresa quando vi o livro da Becki Bloom por ultimo??? hsahaahaha

    ainda nao li este, pq tem toda uma coleção e tals… mas ao esse tipo de livro leve e de mulherzinha!!! heheh… nao achei que vc tb gostasse! ^^

    qt às capas, tb acho que eh mito que nao julgamos… na era do visual e da imagem o que nao eh julgado pela capa neh??? e os livros mais ainda!! jah comprei vários soh pq a capa me chamou a atenção!!!

    por fim, quanto à coleção do Calvin vc devia ter ido visitar a feira do livro da USP Leste em abril!!! lah sempre vai a Comix e eles dão 50% de desconto!! ^^ todo ano compro um e jah tenho 3!! ^-^ amooo!!!!

    bjaum!! ^^

  4. andreia inoue - 1 de junho de 2010 at 22:06 Reply

    concordo plenamente com vc,a capa diz muito sobre o livro,ou pelo menos teria que dizer.
    beijao.

  5. Marcio Caparica - 1 de junho de 2010 at 23:51 Reply

    Eu confesso que já comprei livros pura e simplesmente porque achei a capa demais. O maior exemplo disso foi The Language Instinct, do Steven Pinker. É um livrão sobre linguística. Nunca tinha lido nada de linguística, levei muito muito tempo para terminá-lo porque não era fichinha, mas não me arrependo: o livro é ótimo, e a capa da edição que eu tinha comprado era fora de série. AMO Isabel Allende (leia Inés del Alma Mía e La Suma de los Días, são fenomenais), mas confesso que o único livro do Llosa que eu li, El Paraíso en la otra esquina, eu achei bem maleta.

  6. João Paulo - 2 de junho de 2010 at 8:53 Reply

    Concordo que se compra uma Playboy pela capa.

  7. Tainara - 2 de junho de 2010 at 20:29 Reply

    Eu julgo o livro pela capa. Quantas vezes fui na livraria e achei linda a capa do livro e fiquei com vontade de comprar, acho que ela é a porta de entrada para uma interpretação do assunto, pois creio que se não fosse assim ela não estaria ali. Lógico que tem exceção, mas eu ainda acredito que um bom design me estimula muito a ler.
    Juro que me senti uma alienada, pois não conhecia nenhum dos livros os quais você citou.
    Beijos

  8. Lívia - 6 de junho de 2010 at 22:42 Reply

    Adorei o post e, especialmente, as dicas de livros. Tenho tido vontade de variar nas leituras, mas não sou como você, que consegue ousar nas escolhas assim, simplesmente pela capa. A capa do meu ‘A Casa dos Espíritos’ não é essa, é a versão em português, mesmo. Aliás, meu não. É da minha mãe, está bem acabado e ataca a minha rinite – acho que é por isso que ainda não comecei… Mas vou anotar suas sugestões.
    Lembrei de que recentemente comprei ‘Abusado’, do Caco Barcellos. A capa antiga (que acho que foi proibida) diz tanto mais sobre o livro… Uma pena terem mudado.
    Enfim, sempre ótimo visitar seu blog!
    Beijos

  9. jose maria - 7 de junho de 2010 at 16:51 Reply

    Antes da capa, o autor, sem dúvida. Autores consagrados têm o nome estampado com letras maiores que o título do livro. Vc vai amar O SENHOR DAS MOSCAS (a capa não tem nada, só titulo e autor…). Fiz uma nova capa para o livro do Alonso.

  10. Bárbara Semerene - 8 de junho de 2010 at 11:10 Reply

    Tampouco gostei do livro “O Compromisso”, Lili. Eu tinha tanta expectativa que fosse bom! Bom saber que você não gostou também, assim não me acho maluca de não gostar de um livro que ganhou o Nobel.

  11. Jéssica Carolina - 13 de junho de 2010 at 14:32 Reply

    Verdade.. Não podemos julgar um livro pela capa!! Amei o texto, e ri com o “Foi Apenas um Sonho”
    hahahah.. Já vi o filme e é bem legalzinho.. bjinhos!!!

  12. carlinha abreu - 16 de junho de 2010 at 13:23 Reply

    lili, adoooro seu blog. mas me responde uma coisa: como está sua mãe? ela é muuuito engraçada :~)

  13. Arthur Araujo - 23 de junho de 2010 at 22:14 Reply

    Estou lendo “À Sangue Frio”, do Capote, e a capa do livro é uma arma apontando para a frente, com a mão que segura a arma ensanguentada. Horrível, parece livro de banca de jornal! Mas o livro é maravilhoso e o autor consagradíssimo.
    A.

  14. uma garota - 18 de setembro de 2010 at 12:19 Reply

    adoro capas de livros, já comprei diversos só pela capa. mentira. pela capa e pelo título.
    alguns adorei, outros detestei e não consegui, nem com reza brava, passar da metade.
    sei que não dá pra comprar só por ela, mas não me contenho… uma bela capa me conquista e, como mulher de malando, mesmo tendo me decepcionado vááárias vezes, continuo persistindo no erro. mas gosto do que é bonito (mesmo quando o bonito é feio, sabe?!).

    já quanto às manias de leitora, nunca, em hipótese alguma, vejo quantas páginas tem um livro. sofro em saber quantas páginas faltam para a conclusão daquela trama… simples assim.
    começo a ler sem saber por onde vou andar e nem quando vou parar…

  15. Marco Mancen - 13 de janeiro de 2013 at 13:11 Reply

    Olá Liliane.
    Sou capista de livros.
    Achei seu blog na internet e li o seu texto sobre capas de livros… e caramba, você colocou tudo o que eu também penso.
    Sabe, inúmeras vezes me chegaram autores de livros com capas horríveis para eu consertar e por várias vezes refiz tudo. Isso porque eles e por muitas vezes a própria editora não se preocuparam com a capa.
    No caso de livros, DVDs, CDs as capas falam muito.
    Um grande abraço e parabéns!

Deixe uma resposta para Bárbara Semerene Cancelar resposta

Your email address will not be published.