Sobre abordagens peculiares – Episódio 1

Aconteceu há dez minutos. Meu celular tocou e o que se seguiu foi um diálogo mais ou menos padrão de uma pessoa que discou um número por engano:

Eu: Alô.
Fulano: Oi, a Cláudia?
Eu: Não é esse número… acho que você se enganou!
Fulano: Tem certeza?
Eu: Hahaha não, acabei de lembrar que meu nome é Cláudia, que distraída. Tenho, né!
Fulano: hahahaha
Eu: hahahaha
Fulano: Então tá, desculpe!
Eu: Imagina, beijo.

Desligo o celular. Beleza. Só que, para minha surpresa, o telefone toca de novo dois minutos depois:

Eu: Alô.
Fulano: Oi, sou eu! Anota esse número, por favor!
Eu: Hã? Pra que eu vou anotar esse número?
Fulano: Porque eu sou o homem da sua vida! De verdade!
Eu: haha que louco.
Fulano (muito sério): Olha, eu nem acredito nessas coisas, mas foi uma sorte ter ligado para o número errado. Você é tão simpática, eu estou solteiro, vamos dar uma chance um ao outro! Meu nome é tal, faço isso, tenho tantos anos…

Ri mais um pouco, falei que tinha que ir e desliguei.

Juro.

Só não estranhei essa história tanto assim porque, no ano passado, outra abordagem mais peculiar ainda irrompeu na minha vida. Num salão de beleza. Aguardem!

Deixar comentário

Your email address will not be published.