Sobre café de coador de pano

Sexta fui para BH e voltei uma nova pessoa. Não só porque cumpri o segundo dos três passos que envolvem meu divórcio, mas porque aprendi a fazer café de coador. Coador de pano. Sim, era um antigo sonho que me moveu a vida inteira. Eu sempre tinha sonhado com o dia em que eu acordaria, ferveria a água com açúcar, cheiraria aquele maravilhoso aroma de café e, admirando a minha auto-suficiência, tomaria xícaras e xícaras do mais precioso líquido preto depois do petróleo e antes da Coca-Cola.

Antes dessa viagem, passei a vida pensando que somente pessoas agraciadas com um dom poderiam se atrever a preparar um bule de café de coador de pano. Assim, passei anos dependendo dessas pessoas iluminadas e bebendo o café feito por elas: minha mãe, meu pai, a empregada do meu pai, meu irmão, a ex-namorada do meu irmão, a empregada da minha amiga Fernanda, meu ex-marido.

Quando me mudei para São Paulo, foi um choque. Tão doloroso quanto ficar longe da minha família e dos meus amigos foi ter que me contentar com café expresso. Aquele forte, duro e hostil café de máquina, que os paulistanos adoram. Aqui, na melhor das hipóteses, eu topava com uma xícara da bebida feita com coador de papel, o que aumentava ainda mais minha saudade do meu amado café de coador de pano, que passei a tomar só nas minhas visitas a BH.

Era como um namoro à distância. A gente se via pouco, mas meu amor continuava intacto.
Tudo mudou sábado, quando resolvi desmitificar a feitura do café e passar a tarde tentando, até conseguir um tão perfeito como o da minha mãe. Foi uma felicidade comparada a que senti quando tirei carteira de motorista. Voltei para SP com meu próprio coador de pano, dado por minha mãe, e prometi a ela que cuidaria dele com todo o carinho e que, se eu tiver filhos, ensinarei a eles como se faz a linda bebida, para que a tradição do café de coador de pano nunca se perca na minha família.

Has one comment to “Sobre café de coador de pano”

Você pode deixar um comentário ou Trackback para esse texto.

  1. Marianna Ghissoni - 30 de março de 2010 at 20:18 Reply

    eeer, eu aprendi a fazer café com coador de pano aos 13 anos e não tomo café ;x

Deixar comentário

Your email address will not be published.