Sobre os desafios de morar longe da família (ou “Uma ode aos correios”)

Como vocês sabem, há quase dois anos moro em São Paulo, e minha família ficou lá em BH. Bom. Neste período, eu, minha mãe, meu irmão e meu pai tivemos a oportunidade de provar nosso amor por meio de árduos desafios provocados pela distância. Então, vamos aos…

Desafio dos livros
Resumo: meu irmão não encontrou em BH um livro de que ele precisava e me pediu pra procurar aqui em São Paulo e mandar pra ele por Sedex.
Grau de dificuldade: 4, numa escala de 0 a 5. Afinal, eu precisava ir numa livraria específica num bairro láá longe e depois ir ao correio. O desafio foi agravado pelo fator pressa: meu irmão precisava do livro para o dia seguinte.
Resultado: desafio cumprido com sucesso (e alguma reclamação da minha parte, mas enfim).

Desafio do quimono
Resumo: meu pai me pediu pra comprar um quimono pra ele na Liberdade.
Grau de dificuldade: 5. Eu raramente vou à Liberdade e é impossível atender às minuciosas descrições do quimono que meu pai queria. Sem contar que eu compraria o quimono pra ele e não teria coragem de cobrar.
Resultado: enrolei por um mês pra ir lá. Só que aí chegou o Natal, e o que eu fiz? Fui à Liberdade e comprei um quimono de presente de Natal pra ele. Assim, eu que ia pagar mesmo, e pude comprar um quimono do jeito que eu quis, sem ouvir reclamações de pessoas que fazem encomendas difíceis.

Desafio da bolsa
Resumo: eu ia a um casamento aqui em São Paulo e precisava da minha bolsa de festa, que estava em BH.
Grau de dificuldade: 2. Minha mãe procurou a bolsa e colocou no correio.
Resultado: no fim das contas, nem usei a bolsa, mas acho que ela não sabe disso.

Desafio das chaves
Resumo: na penúltima vez que fui a BH, saí com meu irmão e ele, sem que eu soubesse, jogou um monte de coisas dele na minha bolsa. Assim que cheguei em São Paulo, ele me ligou reclamando que tinha esquecido as chaves do carro dele comigo.
Grau de dificuldade: teria sido 1, mas, depois que liguei pra ele avisando que eu tinha mandado pra ele a droga das chaves por sedex, ele perguntou: “E os documentos? Você viu que os documentos estavam na sua bolsa também, né?”. Assim, tive que ir ao correio de novo, e fechamos no grau de dificuldade 2.
Resultado: ele nunca mais colocou nada na minha bolsa.

Desafio do Detran
Resumo: para a minha surpresa, percebi recentemente que eu não tinha pagado várias taxas do Detran, que eu já devia ter pagado há meses. Fui ao banco e o gerente me disse que só dava pra resolver isso em BH, porque meu endereço cadastrado no Detran é o de BH.
Grau de dificuldade: 5. Meu irmão teve que ir ao Detran pra mim, ficar um tempão na fila e ainda pagar as taxas (era pra ter sido um empréstimo, mas eu ainda não o paguei de volta).
Resultado: tudo resolvido. Acho que meu irmão estava com muita saudade de mim nesse dia.

Desafio do sapato
Resumo: dei um sapato de presente pra minha mãe, comprado aqui em São Paulo. Ficou pequeno e eu precisei trocar.
Grau de dificuldade: 4, porque, depois que eu troquei, minha mãe me ligou falando pra eu aproveitar e mudar a cor do sapato: em vez de vermelho, preto. Precisei ir à loja de novo e depois, adivinha? Ao correio.
Resultado: decidi que da próxima vez vou dar livro de presente pra ela.

Esses desafios me fizeram criar um ditado: “Uma família se faz de amor e de selos”

Tudo bem, péssimo ditado.

Deixar comentário

Your email address will not be published.