Minhas impressões sobre a falta de infra-estrutura em casa

Não tenho telefone fixo em casa desde que me mudei. Mas para quem já ficou dois meses sem TV, um mês e meio sem geladeira (no ano passado, quando eu era casada) e um mês sem aparelho de som (este ano), isso não é nada de mais. Mas dá uma seção sobre…
… minhas impressões sobre a falta de infra-estrutura em casa

Morar sem TV: tranqüilo. Não tenho o hábito de ver TV e sempre leio as notícias na internet, em vez de ver telejornal, e leio e converso sobre meus seriados preferidos em vez de assisti-los. Adoro ver filmes, mas aí é só ir ao cinema e encher os amigos para ver DVDs na casa deles. Providenciei TV em casa para agradar meu então marido, mas dois dias depois a gente se separou. Como é a vida.
Morar sem geladeira: complicado. Tive que trocar leite em caixinha por leite em pó e me acostumar a ver o pão de forma mofar. Se eu queria tomar iogurte ou fazer um bife, saía para comprar só uma unidade. Quando finalmente adquiri uma moderna geladeira, comemorei comprando um pote de Haagen-Dazs para enfeitar meu freezer – mas eu tomei o sorvete todo antes de guardá-lo no freezer.
Morar sem aparelho de som: extremamente complicado. Meu computador também estava sem som e eu simplesmente não tinha como ouvir música, que é a segunda principal opção de lazer que eu tenho quando estou em casa, depois de ler. Era desesperador. Eu entrava nos elevadores e ficava torcendo para ter música neles.

Morar sem telefone: relativamente tranqüilo. Isso porque fico horas no MSN sem problemas, mas é difícil eu ter paciência para bater papo no telefone por mais de dez minutos e, para ficar até dez minutos com alguém, não sai caro se eu ligar do celular. Então é bem provável que eu não instale telefone nunca.

Deixar comentário

Your email address will not be published.